Wednesday, October 15, 2008

Blog Action Day

Wednesday, October 15, 2008

"Um relatório divulgado pelo Centro Internacional de Pobreza, instituição de pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), afirma que 27% dos pobres das áreas urbanas do Brasil conseguiram sair da situação de pobreza em dez anos.

Os 73% restantes teriam ficado estagnados "em uma situação de pobreza crônica", afirma o estudo intitulado Distinguindo a pobreza crônica da transitória no Brasil.

A pesquisa utilizou dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 1993 a 2003 e dividiu a população urbana adulta em 180 grupos, de acordo com o ano de nascimento, sexo, cor, escolaridade e região de domicílio.

"A pobreza se tornou um fenômeno essencialmente urbano e metropolitano, em parte devido ao êxodo rural. No fim da década de 90, 78% dos pobres do Brasil estavam em áreas urbanas", diz o relatório, assinado pelos pesquisadores Rafael Perez Ribas, do Centro Internacional de Pobreza, e Ana Flávia Machado, do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pobreza crônica e transitória.

O estudo estabelece as diferenças entre pobreza transitória e crônica. Para os autores, a pobreza transitória caracteriza-se essencialmente por um "problema de renda temporário", quando, por exemplo, há desemprego na família. Nesse caso, a condição de pobreza pode ser revertida em um curto período de tempo.

Já a pobreza crônica pode ser definida "por uma situação de desemprego mais duradoura, que ultrapassa dois anos". Os pesquisadores, no entanto, afirmam que a situação de pobreza crônica no Brasil se dá pela "dependência", acima de tudo. "Durante este período (1993-2003), constatamos que 73% da pobreza no Brasil era crônica.

Esta grande proporção se deve, principalmente, a um estado de dependência, ou seja, pessoas pobres, que continuam pobres porque têm um passado pobre independentemente de suas características pessoais." Os autores observam que entre os mais propensos à pobreza crônica estão "os não-brancos, menos escolarizados, residentes da região Nordeste e trabalhadores informais".

Por sua vez, a pobreza transitória atinge mais as mulheres que chefiam domicílios e os lares chefiados por desempregados. De forma geral, conclui o relatório, tanto a pobreza transitória e como a crônica estão ligadas ao nível de escolaridade. "A pobreza transitória é observada entre os indivíduos com muito pouco ou nenhum nível de escolaridade. Isso se explica porque esses grupos estão mais suscetíveis às crises do mercado de trabalho do que as que estudaram mais tempo", diz o estudo.

Para reverter a situação, os autores sugerem "aliar políticas de formação de capital humano e acesso a serviços públicos combinados com programas destinados a reduzir desigualdades na distribuição de renda das famílias". Fonte: BBC

Será que algum dia por aqui - onde temos pelo menos 56 milhões de pobres, sem contar os milhões que "vivem" (?) de aposentadorias vergonhosas depois de anos de trabalho árduo - isso vai mudar ? Será que essas estatísticas vão realmente melhorar ? Tenho minhas dúvidas.

Este post faz parte da blogagem sobre Pobreza no Blog Action Day 2008. Participe!


beijos e boa 4 feira,

Tina

22 comments:

  1. Oi Tina,
    Nao sei se a pobreza crônica vai acabar um dia. O importante é continuar falando dela, se indignando. O pior mal é deixar de lado, ignorar, abandonar quem mais precisa. Fazemos nossa parte, seria bom se o governo fizesse a dele.
    Beijos e até breve.

    ReplyDelete
  2. Tina, eu acho que a pobreza nunca vai acabar e sim aumentar, infelizmente.
    Beijocas

    ReplyDelete
  3. Tina

    A diferenca social e a luta por "ter" povoa o mundo deste sua criacao, a modernidade, tantas leis, tanto dinheiro, era para ter amenizado esta diferenca ...

    Temos que lutar e fazer a nossa parte, quando vejo criancas mortas pela fome, miseria, maus tratos, faco forca para continuar acreditando.

    Beijinhos e parabens pelo post.

    ReplyDelete
  4. Bom dia Tina, sinceramente penso eu (desculpe se não concordar) que o Brasil não tem pessoas em situação de pobreza realmente. Estive na Índia e depois disso minha visão com relação a pobreza mudou radicalmente.
    Acho que o mundo precisa realmente mudar a forma de proceder com relação a pobreza que em alguns países é mais que desumano, como na África e na própria Índia. No Brasil há um desequilibro, mas também há muitas pessoas dispostas a ajudar e a tentar fazer com que as diferenças não sejam tão imensas. Se bem que as vezes eu acho que ajudam pelo simples fato de mostrar que estão fazendo alguma coisa. Mas em países como os que eu citei não há nem mesmo a tentativa de ajuda porque a desigualdade é imensa, há os que tem demais e os que tem de menos e sem meio termo entre os dois.
    Bem, vale acreditar que um dia isso mude. Abraços meus

    ReplyDelete
  5. não consigo ver crianças nessas situação sem que me revolte..

    beijo

    ReplyDelete
  6. Tina,

    A pobreza é a maior violação dos Direitos Humanos!
    Grande participaçao...tb aderi.
    Beijos
    Meire

    ReplyDelete
  7. É... :-(

    Bela postagem, triste realidade.

    lindo dia Tinavózinhamadinha
    beijos de loviú

    ReplyDelete
  8. Tina, só nos resta pensar e mentalizar que tudo vai mudar, sim. Eu acredito. De uns tempos pra cá, ando bem otimista, mais com algumas coisas, menos com outras - é assim. Espero e quero que isso mude. Se não mudar, vou pra Londres - hehe.

    O Brasil é um país muito bonito e muito farto para existir tanta pobreza.

    Um beijo!

    ReplyDelete
  9. Ué,mas não foi o Pinócchio que disse que a pobreza no Brasil estava acabando??

    Cadê ele pra comentar os numeros??

    :(

    Beijos,TINA!!

    ReplyDelete
  10. Que tal aumentar o Bolsa Família para R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mensais? Só com o pó da quebradeira financeira que está ocorrendo por aí, acho que dava. O único ponto ruim desse plano teria que ser aguentar o Lula et all por mais 100 anos, rs.

    Beijos utópicos.

    ReplyDelete
  11. Os pobres precisam de trabalho para dignificar a sua existência, o resto é paliativo, por isso a pobreza não acaba. Não vamos fechar os olhos, podemos ajudar quem está ao nosso alcance. Beijus

    ReplyDelete
  12. Temos q parar de olhar o proprio umbigo e enxergar a necessidade do outro.
    Big Beijos

    ReplyDelete
  13. É complicado pois enquanto houverem ricos, sempre haverão pobres... e todo mundo quer ser rico, não é?

    Grande beijo, Tina!

    ReplyDelete
  14. Está muito ligado á capacidade da pessoa produzir.E a produção de uma pessoa está muito ligada à massa encefálica.Se não for trabalhada essa parte fica difícil a movimentação.

    ReplyDelete
  15. É tão triste a realidade desse mundo, às vezes a gente fecha os olhos pra tentar viver...

    Beijo


    ps: te espero na minha festa hoje...hahahaha

    ReplyDelete
  16. Tina, não deu pra participar, estou ainda chegando.
    Valeu mto à pena, quero ver se volto, espero poder voltar um dia.
    Bjs e tudo de bom, Laura

    ReplyDelete
  17. enaquanto isso no caminho das ilhas, outras hiroximas nos fazem visitas

    ReplyDelete
  18. Uau Tina,
    Um ótimo post sobre o assunto e que imagem menina... Coisa de louco!
    Beijosssssssssssss

    ReplyDelete
  19. Loviú, assim óóóóóóó!!
    beijos

    ReplyDelete
  20. Pois é, amiga. Seria tão bom poder reduzir as abissais diferenças sociais, não é? A gente não consegue ser totalmente feliz sabendo que esite tanta gente sofrendo no mundo...

    Viva as crianças!
    Carpe Diem.

    ReplyDelete
  21. Keila...


    Bom eu sou mãe e quando vejo uma criança nessa situação meu coração chora de dor, mas a dor maior e por saber que não posso fazer nada para mudar essa realidade... Tenho fé que um dia viveremos em um mundo sem fome e que a pobreza não existirá mais... nesse momento só tenho a pedir a Deus que olhe pelas suas crianças...

    Que mundo que vivemos...

    ReplyDelete

Obrigada pela sua visita!

 
luzdeluma st © Code is Pocket